Revista

RSS
Busca:

Testes e Comparativos

14-03-14 | Texto: Redação WebMotors | Foto: DivulgaçãoVoltar

Teste: Chery Tiggo é o primeiro chinês com câmbio automático

Transmissão de 4 marchas eleva preço em R$ 5 mil e tem desempenho pouco empolgante

Compartilhar0
Um dos modelos mais bem sucedidos desde a chegada dos chineses ao Brasil, o Chery Tiggo é também o primeiro modelo de origem do país asiático a oferecer a opção de câmbio automático. O utilitário esportivo chega com transmissão de 4 velocidades e opção de troca sequencial por R$ 57.990, ou R$ 5 mil a mais que a versão manual. Fabricado no Uruguai, ele chega aos cerca de 70 concessionários da Chery de todo o Brasil.

WebMotors testou a novidade por um curto espaço de tempo. A convite da montadora, demos uma rápida volta de 21 km a bordo do utilitário esportivo que mantém todas as demais características já conhecidas, como a boa lista de equipamentos e o visual recentemente atualizado. E tem como difeerncial um item que fazia muita falta a ele, e também aos outros chineses com preço elevado no Brasil, como JAC J5 e Lifan X60: o câmbio automático.
 
Desempenho do câmbio

A única novidade tem um desempenho tão confuso quanto o seu nome: QR425AHA. O desenvolvimento coube à própria montadora chinesa e sua divisão de motores, a Acteco. O primeiro contato com o câmbio não agrada, visto que não é fácil de ler as posições D, R e P ao lado da alavanca. Esta também tem engate bastante ruidoso e áspero. É necessário força  e não jeito para posicionar a alavanca na opção desejada.

Rodando, o conjunto se saí bem na largada  em terreno plano aliado ao robusto motor 2.0 16V a gasolina de 138 cv de potência e 18,2 kgfm de torque. Mas basta aparecer uma subida ou a oportunidade de uma ultrapassagem, para o câmbio incomodar novamente.  O modelo se mostra bastante lento e nem mesmo com o pé lá embaixo no acelerador, o Tiggo reage em primeira marcha. A escalada é lenta.

Basta jogar a alavanca para o lado direito para colocar o câmbio no modo de trocas manual, quando o Tiggo melhora um pouco o desempenho. Mas só para quem pisar bastante, o que eleva o giro e, por conta disso, o consumo de combustível, tornando as trocas mais interessantes. A marcha engatada aparece no painel, mas nem sempre de maneira muito clara. Não foram poucas as vezes que trocamos de marcha e o painel de instrumentos manteve por mais alguns segundos a marcha engatada anteriormente.

A montadora trará um lote inicial de 250 unidades vindo do Uruguai, mas espera vender até 2,5 mil unidades do Tiggo automático até o final de 2014. Quanto será o mix entre manual e automático? Com a palavra, o Gerente de Pós-Vendas da Chery, Mauricio Buzetto. “Vamos observar como o cliente se comporta, mas acreditamos que o volume do automático será bem superior ao manual”.

Virtudes e falhas

Afora o câmbio automático, o Chery mantém as mesmas virtudes e falhas da já conhecida versão manual. Os pontos positivos ficam por conta do visual bastante robusto e moderno, com direito a faróis de leds e um gigantesco estepe na tampa traseira envolvido em uma capa. O modelo também leva vantagem pelo bom espaço interno e, claro, a lista de equipamentos.

Há airbag duplo e freios ABS, travas e vidros elétricos, volante com controle de piloto automático, bancos de couro, sistema de som com entrada USB . Mas há também as falhas da aparência frágil típica dos modelos chineses, seja no acabamento interno, ou até mesmo na sensação transmitida pela suspensão, que é pouco firme, sobretudo nas curvas. Justiça seja feita, o Tiggo encara bem as imperfeições do asfalto brasileiro.

Com a evolução dos equipamentos oferecidos no mercado, onde até mesmo os modelos mais populares oferecem itens como central multimídia ou teto-solar, a Chery também espera elevar o patamar de seus equipamentos em breve. “A empresa tem todas estas tecnologias diisponíveis na China, mas ainda não acredita que seja necessária para o mercado brasileiro. Temos a vontade de oferecer mais equipamentos, mas estamos num processo de convencimento à matriz chinesa”, afirma Buzetto.

A Chery espera melhorar tudo isso com a inauguração de sua fábrica de Jacarei (SP) no segundo semestre. A linha de montagem deve começar operar até outubro, com a produção do compacto Celer, que passará por uma renovação em relação ao modelo atual vendido no país. As primeiras unidades produzidas aqui a serem homolohadas na China saírão da linha em agosto.
in Compartilhar 0

É proibida a reprodução de qualquer matérial publicado pela WebMotors S.A. entendendo-se por reprodução todas as formas possíveis de cópia e distribuição, salvo quando existir prévia autorização por escrito dos responsaveis da WebMotors.

©1995-2014 WebMotors S.A. Todos os direitos reservados.