Revista

RSS
Busca:

Opinião

24-09-07 | Texto: Antonio Carlos Bento | Foto: DivulgaçãoVoltar

Vazamento de óleo: problema sério com solução simples

O que começa com um pingo no chão pode acabar com o seu motor

(20-09-07) - Mancha de óleo na garagem é sinal de que algo não está bem. Provavelmente o motor está com vazamento. Geralmente o problema começa com pequenos pingos de óleo que vão aumentando, deixando marcas cada vez maiores no local onde o carro fica estacionado. Isso significa que há uma perda de óleo, ainda que em pouca quantidade, mas contínua, o que, com o tempo, pode diminuir a lubrificação do motor.

Se o problema não for identificado e reparado, o vazamento vai aumentando, podendo afetar o funcionamento do motor. Isso ocorre porque a perda constante, que forma as machas no chão, reduz o nível do óleo no motor. Ele, por sua vez, funcionará em condições desfavoráveis, prejudicando o seu desempenho e podendo até comprometer a sua função.

Esse tipo de problema foi identificado em 35% dos veículos inspecionados pela Agenda do Carro. Mas por que o vazamento de óleo acontece? Em geral, ocorre quando há o desgaste natural das peças que servem para vedação e que são compostas por juntas que podem ser químicas (silicone), metálicas ou de borracha, entre outros materiais.

O problema também pode estar no retentor que, como o próprio nome diz, é uma peça que tem como principal função reter óleos, graxas e outros tipos de fluidos que devem ser contidos no interior de uma máquina, evitando também a entrada de impurezas do meio externo como, por exemplo, terra, areia, poeira etc.

Um motor é um sistema integrado de componentes, onde um item complementa o outro. Os fabricantes revelam que a origem do vazamento geralmente não começa no retentor. Por isso, se for necessário substituir o retentor, é sinal de que será preciso fazer uma investigação apurada para detectar a origem do problema.

Mas é importante frisar que só o um mecânico pode identificar quais são as causas do vazamento de óleo, fazendo uma análise completa em toda a área antes que seja limpa. Só uma checagem detalhada de um especialista pode determinar com precisão as causas do vazamento. Para isso, o mecânico precisa checar todo o percurso do vazamento. Por isso, procure uma oficina de sua confiança para fazer o reparo.

Para detectar o local exato do defeito, deve-se verificar se a área externa de vedação principal está úmida e, ainda, se os acúmulos de pó e sujeira estão úmidos. Em caso afirmativo, o retentor deve ser trocado. Como o problema não começa nessa peça, outras áreas também devem ser supervisionadas.

Todos os detalhes são importantes para que o diagnóstico seja eficaz. É necessário verificar se o diâmetro externo do retentor está seco ou úmido. As marcas devem estar uniformes em toda a circunferência. Do contrário, o retentor pode ter sido mal instalado ou o alojamento não está em ordem.

O alojamento também precisa ser checado para verificar se há marcas ásperas de usinagem, rebarbas ou ranhuras que permitem a passagem do lubrificante. As marcas de martelo, na entrada do alojamento, podem também danificar a carcaça, o que facilita a ocorrência de vazamento.

Se a vedação principal apresentar desgaste excessivo, contaminação por partículas estranhas, cortes, superfícies mal acabadas ou rebarbas, endurecimento, ondulações ou aspecto que demonstre degeneração, pode ser que exista incompatibilidade entre o fluido e a borracha.

A vedação principal tem como função reter o fluido quando o eixo está na condição dinâmica ou estática. Quando está dura ou quebradiça, pode ocasionar alta temperatura no motor, além deixar a lubrificação inadequada ou inexistente.

Todos esses detalhes devem ser levados em consideração para que o reparo do vazamento de óleo seja solucionado. E não se esqueça de exigir peças de qualidade que atendam às especificações do fabricante do veículo. Até uma simples borracha, se não for de qualidade, pode colocar tudo a perder. Para efetuar a aplicação do retentor, por exemplo, é necessário utilizar um tipo de borracha que seja compatível, garantindo, assim, a sua eficiência.

O vazamento de óleo coloca em risco o funcionamento do motor do seu carro. Já a mancha de óleo que fica no chão da garagem se torna um agente altamente nocivo ao ambiente.

Leia outras colunas de Antonio Carlos Bento aqui

________________________________

Receba as notícias mais quentes e boletins de manutenção de seu carro. Clique aqui e cadastre-se na Agenda do Carro!
________________________________
E-mail: Comente esta matéria

Envie essa matéria para um(a) amigo(a)
_______________________________
Antônio Carlos Bento é coordenador do GMA – Grupo de Manutenção Automotiva composto pelo Sindipeças – Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores; Andap – Associação Nacional dos Distribuidores de Autopeças; Sincopeças-SP – Sindicato do Comércio Varejista de Peças e Acessórios para Veículos no Estado de São Paulo; Sindirepa-SP – Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo, entidades que representam a cadeia de reposição independente de veículos.

Antônio Carlos

Antônio Carlos
Profissional da indústria automotiva há 23 anos. Ocupou posições em empresas nacionais e multinacionais, com larga experiência adquirida no MERCOSUL, USA e China. Atualmente é Conselheiro do Sindipeças para o mercado de reposição e coordenador do GMA, Grupo de Manutenção Automotiva. Bento, como é conhecido no setor, é também membro do Conselho Fiscal do SAE, a Sociedade dos Engenheiros da Mobilidade.

É proibida a reprodução de qualquer matérial publicado pela WebMotors S.A. entendendo-se por reprodução todas as formas possíveis de cópia e distribuição, salvo quando existir prévia autorização por escrito dos responsaveis da WebMotors.

©1995-2014 WebMotors S.A. Todos os direitos reservados.