Revista

RSS
Busca:

Opinião

08-05-12 | Texto: Joel Leite | Foto: DivulgaçãoVoltar

Direto da China: Avaliação do Chery Celer

A Volkswagen, pioneira no país, presente na China bem antes do boom automobilístico, é a marca mais vendida

(Wuhu, China) A Chery é a maior montadora de veículos independente da China e a estrutura de produção que mantém no país condiz com o seu tamanho e importância, nacional e internacional.

- Capacidade da fábrica de Wuhu é de um milhão de unidades. Hoje produz 670 mil de três marcas de veículos.

- Centro Tecnológico tem 200 mil metros quadrados de laboratório: emissões, túnel de vento e crash teste.

Aqui há uma distinção entre as montadoras associadas a marcas mundiais e as exclusivamente chinesas, chamadas independentes. A Volkswagen, pioneira no país, presente na China bem antes do boom automobilístico, é a marca mais vendida. Ainda produz o velho Santana que era feito no Brasil, 20cm mais comprido, oferecendo mais espaço aos passageiros de trás. O carro é usado principalmente para táxi em Shangai. A polícia utiliza a perua Quantum.

Instalada na cidade de Wuhu, de três milhões de habitantes na província da Anhui, região Sul, a fábrica da Chery tem capacidade de produção de um milhão de unidades, mas apenas 670 mil saem hoje das suas linhas de montagem, sendo 500 mil para o mercado interno e 170 mil para 70 países. Dessas, 30 mil unidades vão para o Brasil, que, ao lado do Irã, é um dos maiores compradores dos carros da marca.

O Centro Tecnológico está instalado numa área de 200 mil metros quadrados, onde a empresa tem todas as etapas de testes: direção, motor, laboratório de emissões, simulador de suspensão, túnel de vento e crash teste, cujo laboratório é o maior do país, com oito pistas capazes de realizar testes de impacto em todas as direções e situações, além de colisões entre veículos.

O Centro de Tecnologia foi inaugurado há apenas cinco anos e a fábrica há 15. As instalações são modernas, nada perdem para as mais atuais fábricas do Primeiro Mundo.

Um exemplo é a seção de pintura, à base de água, como recomenda as modernas práticas ambientais. O sistema de mergulho das carcaças nos tanques de tinta é um dos mais modernos do mundo: o carro é girado em 360 graus dentro dos tanques, para garantira cobertura de tinta em todos as reentrâncias da lataria. Segundo a direção da empresa, além da Chery, apenas a BMW e a Toyota têm equipamentos semelhantes.

A Chery fabrica em Wuhu 40 modelos de carros de passeio, comerciais leves e caminhões e mantém em produção mais duas marcas, além da Chery: a Riich, de carros de luxo, e a Rely, de veículos especiais, cuja linha comercial será vendida no Brasil a partir do segundo semestre deste ano.

Celer é espaçoso, acelera bem e tem estilo

O novo carro que a Chery vai vender no Brasil tem fôlego para fazer frente aos concorrentes. Ele começa a ser vendido em setembro, com motor 1.5 bicombustível desenvolvido pela Delphi no Brasil. O motor está bem adequado para o carro, conforme impressão em teste feito na pista da fábrica da empresa em Wuhu, em Anhui, na China, a maior fabricante independente de veículos do país.

Foi uma avaliação inicial, limitada, mas percebe-se que o Celer, nome que vem do latim “celere” (ágil, veloz), tem boa potência, o motor responde bem ao comando, com retomadas eficientes. A suspensão é um pouco mole para quem gosta de uma direção esportiva, mas bem dosada para o consumidor comum.

Outro aspecto a destacar é o espaço interno. Motorista e passageiros andam confortáveis. Vale anotar também que o carro tem bom acabamento, e vem de série com os equipamentos que já são padrão nos carros da Chery e opcionais nos concorrentes: ar condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, airbags dianteiros e sistema de freio ABS com controle de tração, OBD. Não oferece nenhum opcional.

O preço exato só será definido nas vésperas do início das vendas, mas o vice presidente da Chery Brasil, Luiz Curi, disse aqui em Wuhu, onde acompanha um grupo de 30 revendedores da marca que fazem visita à fábrica, que o preço do hatch ficará entre R$ 35 mil e R$ 37 mil.

O dirigente anunciou também a venda do sedã do Celer, que terá as mesmas características técnicas que o hatch e também apenas uma versão de acabamento e motorização. O sedã deverá custar R$ 2 mil a mais do que o hatch.

Joel Leite

Joel Leite
Diretor da agência de notícias AutoInforme, especializada no setor automotivo. Produz e apresenta o programa Shop Tour Automóveis. Especialista no mercado de automóveis desde 1984, quando começou no Jornal do Carro (JT), fornece informações para vários veículos de comunicação e é colunista da WebMotors.
Veja colunas anteriores

É proibida a reprodução de qualquer matérial publicado pela WebMotors S.A. entendendo-se por reprodução todas as formas possíveis de cópia e distribuição, salvo quando existir prévia autorização por escrito dos responsaveis da WebMotors.

©1995-2014 WebMotors S.A. Todos os direitos reservados.