Revista

RSS
Busca:

Motos

30-03-07 | Texto: Arthur Caldeira /INFOMOTO | Foto: Renato Durães/INFOMOTOVoltar

Honda CB 600F Hornet: boa na cidade, melhor na estrada

Representante mais desejada da linha CB, modelo é ideal para quem quer uma moto para rodar na cidade e que possa também ser companheira de viagens

(30-03-07) - A linha CB da Honda já fez história no Brasil. A sigla “Citizen Band”, faixa do cidadão, em inglês, resume bem a proposta das motos dessa família: o uso urbano. Caracterizadas pelo visual naked, com o farol se destacando ao lado do motor descoberto, as motos da família CB são ideais para o vai-e-vem do trabalho todos os dias e encaram bem uma viagem, desde que seja por estradas bem pavimentadas.

Atualmente, a representante mais desejada desta linha no país é a média-cilindrada CB 600F Hornet. Lançada no Brasil, em 2004, para substituir a CB 500, a Hornet trouxe inovações em relação à antecessora: traseira monoamortecida e motor quatro-em-linha – a 500 usava o sistema biamortecido e tinha apenas dois cilindros. Mesmo defasado em duas versões em relação à Hornet comercializada na Europa, o modelo vendido no Brasil já conquistou diversos fãs e está até nas pistas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, com a recém-criada Copa Hornet. Ao todo foram vendidas 9.982 unidades entre novembro de 2004 e fevereiro deste ano (4.843 em 2006).

Antiga receita

A receita é a mesma da lendária CB 750, lançada em 1969, modelo que marcou o início da invasão das motos japonesas em todo o mundo. Motor de quatro cilindros, boa dirigibilidade e conforto sem muita frescura. Não há carenagem, nem muitos detalhes estéticos. Uma moto com cara de moto.

A Hornet traz um motor de quatro cilindros em linha com 599 cm³ de capacidade. Tem linhas discretas e boa maneabilidade, além de ser fácil de conduzir. O propulsor traz duplo comando no cabeçote (DOHC) e refrigeração líquida. Produz 96,5 cv de potência máxima a 12.000 rpm e torque de 6,43 kgm a 9.500 rpm. O resultado é um motor bastante elástico, que proporciona força desde as baixas rotações e boa resposta também em altos regimes. Aliás, este é um dos grandes trunfos deste propulsor. Pode transformar essa tranqüila cidadã em uma nervosa esportiva.

Apesar de moderno e do bom rendimento, o motor é alimentado por quatro carburadores. A injeção eletrônica já foi incorporada nas duas versões mais recentes da Hornet à venda em outros países.

Fuja dos buracos

Com quadro monotrave superior e o motor fazendo parte da estrutura, a Hornet gosta mesmo é de ruas bem asfaltadas. Suas suspensões – telescópica na dianteira e monoamortecida na traseira – têm curso reduzido. Com isso, qualquer obstáculo, como valetas, lombadas e buracos, faz a moto “pular” bastante.

Mas quando a avenida tem boa pavimentação, o piloto segue confortável, já que o largo banco e o guidão em uma posição cômoda garantem uma excelente ergonomia. Apesar das pedaleiras recuadas, a posição de pilotagem é bastante “civilizada” em comparação com as superesportivas da linha CBR. Ao subir na Hornet, parece que ela é sua há muito tempo.

Ao se acomodar, o piloto tem à frente o clássico painel de dois mostradores com conta-giros e velocímetro analógicos, além de medidor de temperatura do motor, hodômetro digital e luzes de advertência. Entre elas, a luz de combustível, que serve apenas para indicar que é preciso abrir a torneira de reserva. O consumo, aliás, é um dos pontos fracos do modelo: ela faz em média 16 km/litro. Em uma tocada mais esportiva, buscando a potência máxima, o consumo pode ser ainda maior.

Desejada

Com preço praticado (em São Paulo) de R$ 31,5 mil, a Hornet é um dos modelos mais desejados na categoria naked de média cilindrada – tanto pelo seu apelo estético quanto por sua versatilidade. Sua grande rival é a Suzuki Bandit 650. Com motor de mesma arquitetura, porém refrigerado a ar, a Bandit 650 é um pouco mais cara: R$ 33.586.

A Hornet é ideal para quem quer uma moto versátil - meio de transporte no dia-a-dia e companheira de viagens. Além de ser a evolução natural e o desejo dos motociclistas cidadãos que têm uma naked de 250 cm³.

FICHA TÉCNICA – Honda CB 600F HORNET

MOTOR Quatro tempos, DOHC, 4 tempos, 4 cilindros, 16 válvulas, arrefecimento líquido, 599 cm³
POTÊNCIA96,5 cv a 12.000 rpm
TORQUE6,43 kgm a 9.500 rpm
ALIMENTAÇÃO Quatro carburadores a vácuo
CÂMBIO Seis velocidades
TRANSMISSÃO PRIMÁRIA Engrenagens
TRANSMISSÃO SECUNDÁRIA Corrente
PARTIDA Elétrica
RODAS Dianteira e traseira de liga-leve, em aro 17”
PNEUS Dianteiro 120/70 ZR-17 M/C; traseiro 180/55 ZR-17 M/C
CHASSI Quadro monotrave superior, com o motor fazendo parte da estrutura, com comprimento de 2.100 mm, largura de 738 mm, altura de 1.070 mm e peso a seco de 181 kg
TANQUE17,3 l (reserva 2,6 l)
SUSPENSÃO Dianteira com garfo telescópico com 120 mm de curso; traseira com balança monoamortecida com 127 mm de curso, amortecedor traseiro com sete posições de ajuste de tensão da mola
FREIOSDianteiro com disco duplo flutuante de 296 mm de diâmetro, cáliper de duplo pistão; traseiro com disco de 220 mm de diâmetro, pistão simples
CORES Laranja e cinza metálica
PREÇO R$ 30.837 (sem frete ou seguro)


Gosta de motos naked?

Então veja aqui no WebMotors as ofertas de motos com esse estilo:

Honda CB 600F Hornet

Kasinski Comet 250

Suzuki Bandit N 600

Leia também:

Ducati 749 Dark

Ducati Superbike 1098

Showbike – Iceman Bike, a moto de Kimi Raikkonen

Kawasaki ZX-6R

Terra Modena 198

_______________________________

Receba as notícias mais quentes e boletins de manutenção de seu carro. Clique aqui e cadastre-se na Agenda do Carro!

_______________________________
E-mail: Comente esta matéria

Envie essa matéria para um(a) amigo(a)

É proibida a reprodução de qualquer matérial publicado pela WebMotors S.A. entendendo-se por reprodução todas as formas possíveis de cópia e distribuição, salvo quando existir prévia autorização por escrito dos responsaveis da WebMotors.

©1995-2014 WebMotors S.A. Todos os direitos reservados.